Brasil importa energia do Uruguai e Argentina

O intenso calor que assolou o Rio de Janeiro nas primeiras semanas de janeiro, aliado aos problemas enfrentados pelas linhas de transmissão, levou o Brasil a importar energia elétrica do Uruguai e da Argentina em caráter de emergência, a fim de aumentar suas reservas internas disponíveis.

Luiz Eduardo Barata, diretor-geral do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), disse à Agência Brasil que o movimento foi motivado não por falta, mas por energia elétrica e reservas de energia. “Teríamos condições de atender à demanda sem a necessidade de importar energia desses dois países. Mas, por causa da questão da reserva, nós fizemos uma solicitação e recebemos um pouco mais de duas horas. Depois que o momento de maior demanda terminou, interrompemos a troca.

AJUDA MÚTUA

“Solicitamos uma importação de emergência da Argentina e do Uruguai, como parte de um acordo com os dois países para ajudar uns aos outros em casos de grandes perturbações”, explicou Barata.

Ele ressaltou “a importância do intercâmbio com os países vizinhos”, já que as conexões internacionais de energia “são extremamente favoráveis ​​ao aumento da confiança no sistema, uma vez que possibilitam a ajuda mútua”.

“Neste caso em particular, a bolsa favoreceu o Brasil, mas fomos nós que fornecemos ajuda para o sistema argentino várias vezes devido a interrupções nas linhas de transmissão. Esse tipo de assistência não é realizado em troca de pagamento, mas de crédito de energia ”, continuou ele.

SAÍDA DE REGISTRO

No dia 22 de janeiro, o Brasil atingiu o maior nível de produção de energia em duas décadas, devido ao alto aumento do consumo, provocado pelo calor intenso.

Fonte: O Petróleo