Americanos e canadenses decidem destino de um oleoduto que levará petróleo de Alberta para a Ásia

Um projeto com investimentos de US$ 17 bilhões para construir um oleoduto da Província de Alberta para a Costa Oeste dos Estados Unidos colocou em movimento um plano de apoio para toda a fronteira do Alasca. O objetivo é contornar uma proibição de que  petroleiros no norte da Columbia Britânica, no Canadá, cruzem a região carregado de petróleo. A Eagle Spirit Energy Holdings, com sede em Vancouver, assinou um memorando de entendimento com a Roanan Corp., para estudar a melhor forma de se construir o pipeline, que terá que atravessar montanhas, rios e lagos, e transportar 1 milhão de barris de petróleo por dia para a Ásia.

Há também a intenção de se construir um  terminal que envolveria um investimento de até US$ 1 bilhão. Um adicional de US$ 500 milhões serão gastos na preparação para prevenção de derramamentos, incluindo compra de rebocadores, barcaças e muitas horas de treinamentos. Acredita-se que o Alasca acolherá a proposta de se fazer o terminal em seu território por causa de seus benefícios econômicos significativos. É a última questão do projeto contra a proibição. Os líderes indígenas por trás do Eagle Spirit dizem que são resultados de uma campanha de lobby das ONG ambientais financiadas pelos Estados Unidos, que estão pressionando sem consulta ou consentimento. Inicialmente, o projeto Eagle Spirit transportaria até um milhão de barris por dia de petróleo de Alberta para a Ásia. Além de um oleoduto, o Eagle Spirit envolve um corredor de energia pré-aprovado que poderia acomodar o gás natural, a transmissão de energia e as linhas de fibra óptica.

Roanan é uma empresa privada com sede em Vancouver que possui propriedade na cidade Hyder por 40 anos. Com menos de 100 residentes, a cidade da fronteira é adjacente a Stewart, com uma população de cerca de 300.  Sob o seu plano atual, o terminal marítimo e o terminal de tanques estarão localizados em Grassy Point. Mas o parlamento ainda não decidiu se concorda. Se não concordar, eles serão construídos em em Hyder, localizado a cerca de 25 quilômetros da  costa no Alasca. Os hhhhdefensores do Eagle Spirit também lançaram uma campanha para angariar fundos para pagar um desafio legal contra a proibição e iniciaram uma petição eletrônica convidando o Parlamento do Canadá a “retirar o tráfego proposto de petroleiros da costa norte do BC e começar um novo processo em que os interesses de todos os afetados, especialmente as comunidades indígenas e outras da região, são considerados simultaneamente com uma indústria econômica sólida e avaliação econômica nacional, o que reconhece a importância de assegurar que a indústria de petróleo e gás ambientalmente e socialmente responsável do Canadá possa alcançar a crescente demanda de mercados globais “, disseram.

A Roanan detém pedidos portuários, urbanos e minerais na área. O Alasca é, em geral, muito favorável ao desenvolvimento de recursos. Como com qualquer novo desenvolvimento, o apoio local, estadual e federal é importante. A proibição da construção  é o principal obstáculo para o projeto.Foi anunciado pelo Primeiro Ministro Canadense Justin Trudeau ao mesmo tempo em que o governo suspendeu o gasoduto do Northern Gateway da Enbridge. A Eagle Spirit é apoiada pelo Grupo Aquilini de Vancouver e tem o apoio de grandes produtores canadenses de petróleo, incluindo a Suncor Energy , a Cenovus Energy,  e a Meg Energy. Emergiu cerca de cinco anos como alternativa ao Northern Gateway, que se opunha pelas Primeiras reações que sentiram com a  proteção e os benefícios ambientais que eram insuficientes.

Fonte: PetroNotícias